11 de julho de 2018 às 02:00

Trem de Cumbica leva mesmo número de passageiros que ônibus

A linha de trem construída para conectar a cidade de São Paulo ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (Grande SP), completou seu primeiro mês de plena operação com baixa adesão de passageiros ?demanda similar à dos ônibus intermunicipais que já faziam a li

A linha de trem construída para conectar a cidade de São Paulo ao aeroporto de Cumbica, em Guarulhos (Grande SP), completou seu primeiro mês de plena operação com baixa adesão de passageiros â?”demanda similar à dos ônibus intermunicipais que já faziam a ligação.

Em junho, a linha 13-jade da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), entregue em 2018 após sucessivos atrasos, recebeu em média 7.147 usuários por dia útil.

Segundo a EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo), as cinco linhas de ônibus que ligavam a capital paulista a Cumbica, entre elas quatro itinerários executivos, já transportavam mais de 6.700 por dia útil â?”e somaram 5.600 passageiros diários no mês passado.

A expectativa do governo paulista, atualmente sob gestão Márcio França (PSB), é que ocorra um crescimento gradativo e que a linha de trem de Cumbica transporte 120 mil usuários por dia. A linha da CPTM entre São Paulo e Mogi das Cruzes, por exemplo, atrai 724 mil diariamente.

A linha 13-jade é formada pelas estações Engenheiro Goulart, Guarulhos-Cecap e Guarulhos-Aeroporto, totalizando 12,2 km. Ela foi entregue no fim de março, ainda em fase de testes, pelo ex-governador Geraldo Alckmin (PSDB), em meio à maratona de inaugurações antes de ele sair do cargo para disputar as eleições à Presidência da República.

O trem passou a funcionar em operação integral em junho, quando também passou a ser cobrada a tarifa de R$ 4.

O serviço ainda incipiente é um dos fatores para explicar a baixa demanda por enquanto, mas outro motivo para afastar interessados é a necessidade de fazer baldeação com um ônibus após desembarcar na estação mais próxima do aeroporto, elevando os tempos de deslocamento e reduzindo a atratividade â?”diferentemente do plano inicial.

A CPTM afirma que a demanda pela nova linha de trem deve aumentar nos próximos meses, já que, no fim de junho, a espera entre as composições teve seu intervalo reduzido de 30 minutos para 20 minutos nos horários de pico.

Além disso, a companhia afirma esperar uma popularização com a oferta de novos serviços. Neste mês, é esperada a possibilidade de viagens entre as estações Brás e Aeroporto sem troca de trem na estação Engenheiro Goulart.

A partir de agosto, está prevista a operação da linha expressa entre as estações Luz e Aeroporto. O serviço terá uma tarifa mais cara: R$ 8. Ele estava previsto para começar em julho, mas a licitação para adequar a parada histórica ao projeto sofreu atrasos.

Quando essa opção expressa estiver pronta, os usuários conseguirão evitar paradas e baldeações desnecessárias na rede metroferroviária no trajeto entre a capital e Cumbica.

No entanto, as dificuldades principalmente para viajantes com bagagem chegarem ao check-in continuarão, em razão da distância entre a estação Aeroporto e os terminais de voo â?”no caso do terminal 3, ela chega a 2,5 km.

Com isso, quem chega de trem pela linha 13 precisa caminhar para pegar um ônibus oferecido pela concessionária do aeroporto de Cumbica até os portões de embarque.

O projeto original previa a chegada diretamente nos terminais, mas acabou alterado, segundo a CPTM, a pedido da concessionária do aeroporto, que tem planos de construir um shopping center no local onde seria a estação de trem.

Além do acesso limitado a Cumbica, a população de Guarulhos também tem recorrido de forma tímida à nova linha diante da distância de cerca de 9 km das estações ao centro da cidade. Por isso, a maioria tem preferido continuar pegando os ônibus que fazem a rota até a estação Armênia do metrô de São Paulo.

"Teria que pegar duas conduções em vez de uma, como estou acostumada", disse a auxiliar administrativa Sueli Santos, 22, que trabalha na capital paulista e mora em Guarulhos.

A promessa de uma ligação de trem do aeroporto à cidade de São Paulo é repetida há mais de uma década e meia. 

Em 2002, Alckmin, que era candidato à reeleição ao governo do estado, chegou a anunciar uma rota para 2004.

Anos depois, a proposta foi remodelada para a criação da atual linha 13 da CPTM, prevista para a Copa do Mundo de 2014 no Brasil. Ela acabou entregue quatro anos depois, às vésperas do torneio na Rússia.

O governo de São Paulo diz que a proposta anterior de um trem expresso era diferente da atual linha 13 e não teve interesse dos investidores devido ao anúncio de um TAV (Trem de Alta Velocidade) pelo governo federal na época.

O orçamento da linha 13-jade acabou atingindo R$ 1,1 bilhão após sucessivos ajustes. Em 2012, foi estimado um gasto de R$ 500 milhões com as obras.

Segundo a CPTM, a quantia foi prevista antes da publicação do edital de licitação, não incluía fatores de correção e não contemplava as estações Guarulhos-Cecap e Aeroporto-Guarulhos. 

A Corregedoria Geral da Administração chegou a instaurar um processo de apuração, que foi arquivado em 2016.

O governo Márcio França diz que, pelo atual projeto, há previsão de prolongamento da linha 12, que tem estudo funcional de ampliação até Bonsucesso, bairro de Guarulhos.

O Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas também desenvolve estudos de uma PPP para a operação da linha 13-jade.

A tentativa de atrair financiamento privado, porém, naufragou no caso do projeto anterior de trem para Cumbica.

Entre as razões apontadas estava a perspectiva de atraso na entrega do terminal 3 do aeroporto â?”além do projeto do trem-bala para Guarulhos.

Esses dois fatores representariam riscos aos investimentos, já que poderiam comprometer a demanda esperada.

O modelo de negócio foi descartado também porque a Justiça impediu vincular a demanda de passageiros como pré-requisito para equilíbrio financeiro da negociação.

Na época, em julho de 2010, a proposta se baseava em estudos de fluxo no aeroporto.

A projeção mais longíqua traçada foi a de atingir 28,8 milhões de passageiros no aeroporto em 2014. Segundo concessionária GRU Airport, em 2014, Cumbica recebeu 39,5 milhões. Já em 2017 foram 37,7 milhões nos terminais de embarque e desembarque.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo